ANÁLISE
AGROPECUÁRIA

LEITEIRA

A obtenção do leite de alta qualidade, que seja isento de patógenos causadores de doenças e com baixas contagens de bactérias deve ser um dos objetivos das fazendas leiteiras, uma vez que implica em impactos sobre a produção e o preço do leite pago ao produtor. Essa preocupação com a qualidade se deve ao fato de que a alta contaminação do leite resulta em limitações quanto ao tipo de processamento, redução de rendimento industrial para fabricação de derivados lácteos, além de uma questão fundamental, que é a aceitabilidade dos produtos pelos consumidores.

Para monitorar a qualidade higiênica do leite cru utiliza-se a contagem bacteriana total (CBT), a qual quantifica o número total de bactérias por mL de leite analisado. A CBT do leite varia de acordo com diferentes fatores, os quais podem influenciar de forma significativa o grau de contaminação do leite, tais como as condições de higiene de ordenha, a limpeza dos equipamentos e utensílios, a temperatura adequada de resfriamento e a higiene pessoal dos ordenhadores. Por outro lado, a contagem de células somáticas (CCS) é considerado o principal indicador da sanidade do úbere das vacas em lactação, sendo usada como principal ferramenta de monitoramento da prevalência da mastite subclínica em rebanhos leiteiros. As células somáticas presentes num processo inflamatório são compostas predominantemente por leucócitos sanguíneos que migram para a glândula mamária com objetivo de combater os agentes causadores da mastite.
 

Procedimentos para coleta de amostras de leite cru para contagem de células somáticas e contagem total de bactérias:

As amostras devem ser coletadas por uma pessoa treinada e que siga os procedimentos que preservem as características da amostra a fim de obter qualidade e confiabilidade dos resultados. É necessário que o mesmo seja informado sobre a importância da execução adequada dos procedimentos, riscos relativos ao contato com conservantes e sobre os cuidados higiênicos a fim de evitar contaminação da amostra e do leite do tanque.

 

Conservação da amostra e envio ao laboratório

Imediatamente após a coleta, as amostras de leite devem ser acondicionadas em caixas isotérmicas contendo gelo reciclável. A quantidade de gelo reciclável deve ser suficiente para manter a temperatura interna da caixa em, no máximo, 7 °C.

Frascos e etiquetas

Para a coleta devem ser utilizados frascos padronizados e etiquetas de identificação disponibilizadas pelo laboratório responsável pelas análises. Os frascos devem ser armazenados fora do alcance de crianças, ao abrigo de luz e em local limpo e seco.

 

Conservantes

Os conservantes são utilizados para garantir que as amostras de leite mantenham sua integridade do momento da coleta até a execução das análises laboratoriais. Os conservantes utilizados são tóxicos e não devem ser manipulados. No momento da coleta, para evitar que o conservante entre em contato com o leite do tanque deve-se posicionar o frasco sempre fora da área de abertura dos mesmos. Manual de coleta de amostras do PNCR/MAPA. Brasília, DF: MAPA/ACS, 2011.

Embalpharma. Desenvolvimento de embalagens plásticas compatíveis com as suas necessidades de negócio.

 

© Embalpharma

+55 48 3647-0098